18 janeiro, 2007

Recordando “Il Pirata”

Faz 3 anos, no próximo dia 14 de Fevereiro, que Marco Pantani faleceu, vítima de overdose de cocaína num hotel em Rimini.
Trepador exímio teve o seu primeiro ponto alto em 1994 ao seu 2º no Giro (2 vitórias em etapas) e 3º no Tour. Na prova francesa, venceu a mítica chegada ao Alpe D’Huez.
A 2 vitórias no Tour de 1995 seguiu-se uma terrível queda, numa competição em Itália, que fez perigar a sua promissora carreira.
Voltou no Giro de 1997, mas o azar bateu-lhe novamente à porta, quando um gato se cruzou diante a sua bicicleta. Recuperou a tempo de participar no Tour, alcançando novo 3º lugar, com duas vitórias em etapas.
1998 foi o seu ano de ouro, com o italiano a vencer o Giro e o Tour.
Em condições normais, o “Pirata” não teria grandes hipóteses face a Jan Ullrich, contudo um erro de alimentação por parte do alemão na primeira grande etapa de montanha levou-o a perder mais de 7 minutos.
Ullrich recuperou bastante tempo nos contra-relógios, mas Pantini conseguiu gerir bem a enorme vantagem, não esbanjando a oportunidade para fugir ao alemão nas etapas de montanhas, onde era simplesmente o melhor.
No Giro, o grande número de etapas montanhosas favoreceu o seu estilo, não dando margem de manobra a valorosos contra-relogistas com Alex Zulle e Pavel Tonkov.
Em 1999, quando liderava o Giro já com cerca de 10 minutos de vantagem e 4 vitórias em etapas, a bomba rebentou. Um exame ao sangue revelou uma elevada taxa de glóbulos vermelhos, motivados pela utilização de EPO.
Nunca mais esquecerei a vaia monumental com que os tiffosi presentearam Ivan Gotti (o novo camisola rosa) no dia em que o “Pirata” foi desclassificado.
Cumpridos os 2 anos de suspensão, voltou no Tour de 2000, alcançando mais 2 vitórias em etapas. Para recordar a escalada lado a lado, com Lance Armstrong, do terrível Mont Ventoux. No final Lance permitiu a vitória ao adversário, facto que deixou o “Pirata” ressentido. Foi a sua última grande vitória.
Em 2003, sofrendo de depressão, internou-se numa clínica especializado do norte de Itália, alegrando os tiffosi que ansiavam por novo regresso do ídolo.
Depois, a 14 de Fevereiro de 2004, a maldita cocaína, fez tombar o “Pirata”, o “Fantino”, o melhor ciclista de alta montanha que alguma vez vi. Ele era de facto especial.

9 Comments:

At 8:17 da tarde, Blogger Apre said...

Eh pa nem sabia ou me lembrava desse portento, de desportista, pelos vistos impulsionado a coca.

 
At 8:26 da tarde, Blogger José Cavra said...

Apre, o Pirata era mesmo o melhor a subir.
No ciclismo ninguém é limpo, pena ter sido ele a pagar...

 
At 7:12 da tarde, Anonymous turco said...

Se calhar tomava coisas, mas tb há muitos que tomam e nem perto dele chegarão. Era impressionante, subia as montanhas de mota.

 
At 8:18 da tarde, Blogger José Cavra said...

É verdade Turco!
Nas montanhas até o Lance ficava a comer poeira...

 
At 8:38 da tarde, Blogger Mats Jagunço said...

Como tu disseste Cavra: "Para recordar a escalada lado a lado, com Lance Armstrong, do terrível Mont Ventoux. No final Lance permitiu a vitória ao adversário, facto que deixou o “Pirata” ressentido."

Por isso essa história de comer poeira não era bem assim...

 
At 8:47 da tarde, Blogger José Cavra said...

Nessa altura o Pirata já não estava no seu auge.
Os 2 no auge e o Lance nos contra-relógios ganharia sempre 3 ou 4 minutos ao Pantani.
Nas montanhas acho q o Pantani levaria vantagem...

 
At 12:07 da manhã, Blogger Mats Jagunço said...

Sim, sem dúvida que no auge levaria vantagem. Com ou sem ajuda é o que falta saber, mas pode-se dizer o mesmo de Lance (de todos, não?). Do levar vantagem ao fazer comer poeira ainda vai uma distânciazita, mas sem dúvida um grande senhor na montanha!

 
At 11:37 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Pois, mas nao so no ciclismo ha doping.
Ja se esqueceram do Feher ? *-*

Marco Pantani 4Ever !

Venha quem vier, o melhor de sempre !

 
At 10:29 da tarde, Blogger leandroquariguazi said...

Tenho minhas dúvidas acerca do fato de Lance Armstrong ter deixado Marco Pantani ganhar no duelo travado por eles na escalada do mítico Mont Ventoux, no Tour 2000.
Na minha opinião, Armstrong não permitiu a vitória de Pantani coisa nenhuma. O americano bem que tentou, mas "Il Pirata" foi melhor e conquistou a montanha na frente; alías, quando o italiano arrancava na vertical era ruim de encarar.
Já vi duelo em montanha no qual Armstrong não tomou conhecimento do Pirata (escalada do Hautacam, em 2000), mas no Monte Ventor, Marco Pantani, indiscutivelmente, levou a melhor.
Forte abraço a todos e bons giros,
Leandro Quariguazi.

 

Enviar um comentário

<< Home