23 abril, 2005

Os Galgos de Campo Maior

Na semana em que o Vitória de Setúbal carimba o passaporte para a final da Taça de Portugal e para mais uma aventura uefeira(Rachão,amigo,a Malta da Tropa que Curte Bola está contigo),Octávio Machado é falado para candidato à Câmara Municipal de Palmela e os satélites não perdoam nem ao melhor treinador do mundo, fazemos uma viagem no tempo, mais precisamente retrocedemos 8 anos no tempo, para relembrar a saudosa equipa do Campomaiorense que chegou ao Jamor,pois recordar é viver.
A agora extinta equipa de Campo Maior(só possui camadas jovens) conviveu com os grandes até há muito pouco tempo, sob a batuta da direcção comandada pelo grande João"eu é que mando no negócio dos cafés" Nabeiro.Nas minhas deslocações à planície alentejana, era habitual sentar-me numa esplanada com o meu amigo Paco Fortes, que vinha do Algarve exclusivamente para comer carne de porco à alentejana e beber um moscatel que eu levava aqui de Setúbal. O Campomaiorense, nos seus últimos anos, optou por inovar com uma mudança de visual,a começar pelo seu símbolo.


(Repare-se na transição de um imponente leão à-la Sporting para um bonito e curioso galgo).
No plantel,constavam jogadores de reconhecido renome e talento.Na baliza,Dragoslav Poleksic, um jugoslavo ex-Chaves, que viria a tirar lugar ao não menos mítico Paulo Sérgio,agora no Beira-Mar.
Na defesa, a constelação adensava -se,com Marco "tenho uma trunfa como a do Cadete"Almeida,

René Rivas, um poderoso central nascido em São Paulo,

o saudoso lateral recém-convocado por Chocolari Rogério Matias,
enquanto o lado direito da defesa era comandado pelo grandioso Quim Machado,hoje mister da Oliveirense.No meio-campo,Nuno Campos,um polivalente,fazia qualquer posição,ajudado por Vítor Manuel(não,este não é o mister),um prodígio do Lourinhanense Sabugo,que chegou a estar vinculado ao Sporting e Isaías,ex-Benfica.
Um ataque não menos célebre era a chave do sucesso.Por isso,à frente jogavam Laelson e Demétrios,que ainda hoje dá cartas na Supeliga.Em caso de lesões,o plantel contava ainda com outras estrelas,tais como os defesas Basílio Marques e Carlos Fernandes,os centro-campistas Vincze,Paulo Miranda e Mauro Soares ,ex-Farense ,enquanto o sector mais adiantado contava com o poderoso Wellington. Resta-nos falar da equipa técnica,que começou a época com José Pereira no banco,sendo substítuido pelo mítico luvas pretas que tantas alegrias deu ao mestre Pedroto,João Alves.
É com nostalgia que recordo estes momentos e acredito que os galgos alentejanos que jogavam no famoso estádio Capitão César Correira tenham sempre um lugar de destaque no futebol português,alimentando a esperança de um novo representante desta bela região do nosso país no escalão máximo.

2 Comments:

At 12:38 da tarde, Blogger _|SeaL|_ said...

Muhahaha, grande campomaiorense. Ate' o mitico Jimmy passou por la', que loucura, central do SLB Jose' Soares, a mandar chapada no Jardel, boas recordações nesse estádio.
Pancadaria com o FCP , Vitor Baia a mandar uma pêra num dirigente do Campomaiorense, deu pa tudo nesse estádio.
PAz

 
At 1:07 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Galgos,foi na "era" "Delta-cafés"... o Sporting Club Campomaiorense,tal como o Nome o diz,tem como símbolo o "leão"...aliás,só a última letra do emblema é que é diferente do da "casa mãe".

 

Enviar um comentário

<< Home